Meu Lar É Meu Castelo: Vivendo Como Um Rei?

Living La Vida Loca

O post anterior acabou comparando os castelos-fortaleza com aqueles criados somente como moradia real. Pelas fotos que a Marion mostrou no blog do seus passeios nas férias e como vimos em tantos filmes, temos provas de que a vida dos senhores dos castelos modernos era muito luxuosa, farta, regada a luxo. Mas, como era a vida dentro de um castelo medieval?

A realidade é que os castelos medievais não ofereciam estrutura ou conforto para seus ocupantes. A rotina de um castelo começava bem cedo. O senhor do castelo e sua familia acordavam no quarto, rodeados de empregados (muitos deles dormiam no chão desse mesmo quarto!). Depois de se vestirem, os senhores tinham seu café da manhã no salão, geralmente pão, queijos... Logo depois, participavam da missa na capela do castelo.

O almoço tinha vários pratos principais; algumas vezes, o almoço contava com malabaristas para entreter. Depois do almoço, o senhor cuidava das tarefas administrativas: cuidar dos impostos, da justiça, dos problemas. A senhora cuidava da educação dos filhos e do serviço do castelo, conferindo que tudo esteja em ordem com os empregados.

Chegada a noite, uma sopa, e volta para o quarto, mais uma vez rodeados de empregados. De fato, a vida no castelo não era fácil nem para os senhores, nem para a "plebe".

Cada castelo é único, desde a pedra fundamental até o escudo da familia. Ainda assim, os castelos tinham algumas coisas em comum no que diz a sua estrutura. Praticamente todos os castelos contavam com um salão onde eram servidas as refeições, que era o equivamente a um quarto amplo com pequenas janelas fixas sem vidros na parte superior, e servia de dormitorio para os empregados no final do dia.
Outras dependências comuns nos castelos eram os armazens, onde grãos e carnes salgadas ficavam estocadas. A cozinha geralmente ficava afastada, para diminuir a chance de provocar incêndios.
Todas as manhãs, a capela tinha missa: as vezes as capelas tinham dois níveis, assim os empregados ficavam na parte baixa enquanto os donos de casa ficavam na parte superior. Em outros castelos, a capela era subterránea.
Banheiro? Essa era uma das exclusividades do senhor de casa, embora contava apenas com o vaso, que conectada a um sistema de calhas descartava tudo em uma fossa.
Os castelos sempre eram instalados perto de alguma fonte de água, e também recolhiam água de chuva do telhado em cisternas dentro dos muros.
Finalmente, todos os castelos tinham uma torre. A torre tinha vários andares, e servia para vigiar as redondezas, e no caso de uma invasão era o último refugio usado pelos donos do castelo. Ela era o ponto mais facil de defender do castelo, e geralmente continha mantimentos que permitiriam um cerco durante um certo tempo até as coisas se acalmarem ou enquanto chegavam reforços.

Na próxima e última edição do assunto castelos, vou falar dos castelos da lenda arturiana (por fim!!)

3 comentários:

Andrea disse...

Tô esperando...

pedrita disse...

tudo se comiam com as mãos. o esgoto era a céu aberto, embora nos castelos deviam seguir para as ruas das cidades. era a época que muito se explicava com lendas porque pouco sabiam de higiene, saneamento, então as pestes eram atribuídas a raiva dos deuses e crendices. por isso que com muita facilidade acreditavam em lendas e em milagres. beijos, pedrita

Renata disse...

Eu adoro essa parte não-romântica do medievalismo.
Nem eu sei porque, mas adoro :)