5 inventos, 5 histórias

Seguindo no embalo de outros blogs que falaram sobre invenções, tive a idéia de falar sobre invenções que usamos até hoje, mas que foram criadas na época medieval. Afinal, este é um blog temático...

Óculos

Os manuscritos mais antigos falando de óculos datam de 1286. Nesse tempo, Sandra di Popozo escreveu em um tratado florentino que "estava tão debilitada pela idade, que não conseguiria enxergar os vidros conhecidos como óculos". A verdade é que os italianos levaram a fama como inventores dos óculos, por causa do sucesso de vendas, e da armação para manter ambas lentes unidas, mas as primeiras referências a lentes chegam até Confucio, no ano 500.

Carrinho de Mão

Sim, já sei, os chineses fizeram primeiro. Mas no caso deles era apenas uma caixa de madeira com uma roda embaixo, o que devia ser terrível de usar em terreno acidentado. A "elegância" de uma caixa com uma roda na frente e longos braços para manobrá-la apareceu lá pelo século 13, pelo menos o que dizem nos quadros pintados na época, o que nos leva até outro item:

Pintura à Óleo

Neste caso um flemish conhecido como Jan van Eyck foi quem conseguiu uma mistura estável de témpera (guache) e óleo, o que deu não somente novos matizes à pintura, como também uma duração extraordinaria.

Relógio Mecânico

Os grandes relógios usados nas torres das catedrais eram movidos por peso, de maneira semelhante aos relógios de pêndulo. Estes relógios apareceram por toda a Europa mais ou menos no mesmo período, entre os séculos 13 e 14.

Compasso

Tá, estou trapaceando. O magnetismo não é uma invenção humana, e a bússola foi inventada provavelmente pelos chineses. Ainda assim, os compassos secos, usados para navegação, apareceram no Mediterrâneo por volta de 1300. Antes disso só temos a menção de compassos em 1190, em documentos feitos em Paris. Para compensar a trapaceada, vai a sexta invenção:

Botões

É! Os botões da roupa, método pratiquíssimo para prender duas peças de roupa ou duas partes do tecido de maneira rápida foi inventada por alemães no século 13, adotadas rapidamente no resto do agora velho mundo, e mantemos conosco até hoje. Engraçado como esses inventos simples não deram a fama para o inventor, e mesmo assim não imaginamos um mundo sem elas, não é?

Período Criativo

O período medieval nos deu outras invenções curiosas:

Quarentena
Colar para animais de tiro (cavalos, bois)
Ferraduras
Tear horizontal
Arado
Espelhos
Marca de Água
Moinho de vento
...

E o Arthur, onde fica?

A lenda arturiana já é uma invenção por si mesma. Nela vemos inventadas grandes lutas, dragões, mágica, personagens cheios de história e sentimentos. Mas, se é por falar de coisas que de fato existiram e podemos chamar de invenções, gostaria de colocar estas cinco na minha lista:

1) A domesticação de animais

O que seria do homem, se não tivesse descolado um jeito de criar animais para obter leite, carne, ovos... para se locomover mais rapidamente, ou levar cargas maiores... como armas de guerra que virariam o rumo das batalhas... e como companheiros de aventuras, claro!

2) Os Castelos

Moradias, refúgios ou fortalezas, os castelos tiveram um papel fundamental na idade média, como símbolo de poder e pivô central na formação de cidades poderosas durante o período feudal. Obras de engenharia que se adaptaram ao tempo, os castelos serviram para funções tanto bélicas como pacíficas. Aliás, foi um dos meus primeiros posts, ou não?

3) As Justas

Adrenalina, testosterona e falta de inimigos que prestem renderam ao período medieval a oportunidade de brincar em lutas mais sérias organizadas de maneira esportiva, para satisfazer a necessidade dos cavaleiros de se mostrarem, e ao mesmo tempo servir de treino e entretenimento para "a galera". Quero MESMO ver uma dessas acontecendo, e a oportunidade ainda existe, mas não é aqui ao lado. Ainda é praticado na Alemanha o torneio de cavaleiros de Kaltenberger; vejam o site no link, e busquem videos no youtube. Vale a pena.

4) As armaduras sólidas

Quente. Sufocante. Pesada. Imobilizante. Assim era a armadura medieval, e era o melhor lugar para ficar em uma batalha em campo aberto. Era ela que decidia entre a vida e a morte dos guerreiros, e ganhou fama e detalhes para reconhecer os grandes lutadores... até aparecer a pólvora. Aí que acabou a brincadeira, e as muralhas do castelo eram mais necessárias do que nunca.

5) Armas de sitio

Não sei exatamente o motivo, mas as catapultas, os trebuchets e os arietes me causam um fascínio enorme. Depois dos elefantes do Alexandre o Grande, foram as primeiras armas no campo de batalha apropriadas para invadir construções amuradas, e estabelecer cercos, sitiando o inimigo e forçando o confronto. Os gregos entre outros povos antigos tinham grandes armas de guerra, mas foi a época medieval que deu o destaque a estas grandes peças de engenharia. Mais tarde, a evolução da guerra levaria à invenção dos tanques de guerra, os canhões, os submarinos... Não gosto da guerra, mas infelizmente ela é um dos principais motores para investimento em tecnologia. Desde os reis antigos até os governantes de hoje em dia, o fato de estar em guerra faz investir irrestritamente em invenções e descobertas tecnológicas, com o puro objetivo de ganhar a corrida armamentista. Estas descobertas, embora aconteceram por fins bélicos, acabam fazendo diferença nos tempos de paz, quando estes investimentos não acontecem. Coisas tão simples quanto a caneta bic foram inventadas assim, quando as canetas a tinta convencionais vazavam na cabine dos pilotos, e os lápices quebravam as pontas. A necessidade motiva a descoberta.

Ahhhh.....

Sim, suspiro de desilusão. Não falei das moças da lenda, como "minhas leitoras" pediram, e foi por verdadeira, total e absoluta falta de tempo para pesquisar. Morgana, Gueinevere, Nimue, nenhuma delas tem um livro próprio, e a pesquisa em vários livros consome um tempo que não tive, portanto peço desculpas por trair essa expectativa. Nesta semana vou estar ocupado também, portanto lá sei vai a minha possibilidade de postar na semana que vem sobre qualquer moçoila épica devassa (ou não). Vou viajar a trabalho, e quero levar comigo alguma literatura para preparar um post nos momentos vagos. Com certeza vou levar "O último reino", de Bernard Cornwell, que fala sobre as lendas nórdicas, mas vou levar também algum outro livro arturiano, que ainda não decidi.
Espero que tenham gostado da leitura, e quero comentários até a próxima semana!!!




5 comentários:

Renata disse...

Gostei do post, Wally! Muito bem escrito, principalmente porque além de citar o que você considera as maiores invenções, você ainda deu um background histórico bem bacana. E eu concordo com você em relação à guerra ser motivo de investimentos e pesquisas. Infelizmente é isso mesmo, mas talvez por isso a guerra atraia a atenção de tanta gente, inclusive gente pacífica - eu, por exemplo :-)
Tenha boa viagem de negócios e aproveite seu tempo livre, Cornwell é ótima companhia!
Beijos!

Pedrita disse...

gostei da listinha trazer invenções do período medieval e de rei arthur. beijos, pedrita

Andrea disse...

Muito luxo. Conseguiu ser temático at´pe na corrente. Com perdão do trocadilho...rs E boa viagem!

Wally disse...

update: nao consegui ler cornwell. nao consegui internet ate agora. e nao consegui fazer acentos com estes teclados portenhos.
beijos!!

pedrita disse...

hehe, aguardamos sábado que vem. sem problemas, beijos, pedrita