Cultura Inglesa

Quem tem TV a cabo pode curtir geralmente um leque enorme de canais, dos quais acaba assistindo no máximo quatro. Já pensamos no trabalho várias vezes sobre como seria se eu pudesse pagar apenas para uma emissora (como se fosse um contrato de conteúdo para esse canal), e assim reduzir os gastos. Mas uma coisa que com certeza ficaria muito chato é o zapping... já pensaram fazer zapping apenas com os canais de ar? Seria a mesma coisa. No fim, defendo o modelo de um contrato com zilhões de canais, é dificil não encontrar alguma coisa para assistir.

Ainda assim, tem coisas que não chegam até nós, como canais da America Latina, por dar um exemplo. Em situações como essa, acho válido buscar "outros meios" para assistirmos o conteúdo que queremos ver, afinal, quem produz um programa é para ser visto. Caçando coisas na rede encontrei uma minissérie muito legal, pelo menos no quesito histórico:

A History of Britain

Logicamente, esperava alguma menção mesmo que mínima da lenda arturiana, mas como o documentário é sério não pode se dar o luxo de incluir qualquer menção religiosa, épica ou lendária no contexto. Não tem problema, o seriado é ótimo mesmo assim, e com isso ganhou o direito de entrar como post desta semana.

Eis um documentário produzido entre 2000 e 2001, escrito e estrelado por um professor da universidade de Columbia, Simon Schama (que já ensinou em Oxford, Cambridge e Harvard). Com patrocínio da BBC e o History Channel, o Simon passeia durante cada episódio por lugares históricos, que conforme ele explica em cada parada tiveram influência drástica na formação histórica da Britânia, e posteriormente da Inglaterra.

Possui um formato de 15 episódios de 55 minutos cada, e assisti os dois primeiros por enquanto, "Origins" e "Conquest!". O primeiro vai desde os primeiros povos na ilha na idade da Pedra, passando por vilarejos, túmulos e construções monumentais como Stonehenge; pega carona no período romano, e conta o começo e auge da Bretanha Anglo-Saxã. O segundo episódio mostra o confronto dos reis medievais com invasores vikings, as intrigas e traições no período anglo-saxão e a passagem para a Bretanha Normanda.

No segundo episódio é exibido um tapete bordado de 70 metros, contando boa parte da história entre as disputas pelo reino de Britânia, a ameaça viking, e as intrigas que levaram a vitória normanda em terras estrangeiras, virando o mapa da Inglaterra para o lado continental, e esquecendo de vez suas origens e lealdade para com os povos nórdicos. Resumindo, conta os detalhes da invasão normanda de 1066. A imagem abaixo é apenas uma amostra do desenho, que se estende de ponta a ponta no "Bayeux Tapestry".


O que mais gostei do seriado é a capacidade do Simon Schama de ser didático; é muito conteúdo, muito bem apresentado, rico em detalhes, e sem exaltação. A proposta não é falar da imponência da Bretanha, pelo contrario, se apega ao pano de fundo que fez da Bretanha o que ela é. Cada momento histórico, cada batalha decisiva é comentada como ponto de pivô para os eventos vindouros, e justifica históricamente os conflitos entre diferentes povos e seus resultados.

Gimme More!!!

Como mais apoio histórico ao blog, ainda achei um livro da editora Longman, "An Illustrated History of Britain", de David McDowall. Por enquanto somente virei as primeiras páginas, e posso dizer apenas uma coisa: promete.

Pelo que folheei, abrange mais ou menos o mesmo período do seriado, desde Stonehenge até Winston Churchill. Belas imagens, muitas referências geográficas, e a necessidade imperiosa de um bom dicionário do lado quando a coisa aperta. Até agora sem problemas, mas o inglês britânico não é meu forte. Ainda bem que não é australiano...

Até a semana que vem!


3 comentários:

Renata disse...

Duas dicas ótimas, do documentário e do livro!! Vou procurar! Pra mim, a história da Inglaterra é uma das mais interessantes e esse é o maior motivo de eu querer conhecer esse país.
Conforme for assistindo, vai resenhando os episódios =)
Bjs!!

pedrita disse...

não é verdade, se olhar nas minhas tags vc vai ver os canais mais frequentes de filmes, mas ainda vejo os de varieades e jornalismos. eu acho que aproveito mais de dez canais. são seis telecines, ops, 5, sempre incluo o maravilhoso canal brasil que vi hj uma ótima entrevista com o zenito vianna, e os hbos, esses vejo menos, mas vejo quase todos. o globonews, multishow, gnt, canal futura, rá ti bum. vixe, aproveito muito tv a cabo e vejo muito os canais de desenho onde sou fã do backardigans. beijos, pedrita

Andrea disse...

Que dicas legais. Essa coisa fantasiosa sempre atrapalha o entendimento do que é lenda e do que é fato na fundação da nacionalidade britânica.