Aos Românticos

Eu tenho minhas fases românticas, algumas mais fortes, outras menos. Mas um sentimento que nunca me abandona e minha fé, minha convicção no amor romântico; o amor dedicado à dama, a honra do amor cortês. Sim, sei que estou ultrapassado, mas me sinto bem dessa forma, me dedicando de coração a amar, nos gestos simples e nos atos mais grandiosos que o amor verdadeiro pode gerar.

Encontrei meu conforto na literatura medieval, o supra-sumo do amor cortês. Fiz do Chrétien de Troyes e do Thomas Malory meus amigos de conversa, com quem troco os mesmos ideais. E nos dias de hoje, encontrei mais um cavaleiro perdido no tempo como eu: o Pedro do filme Romance, interpretado pelo Wagner Moura.

O filme conta uma história de amor entre Pedro e Ana (Letícia Sabatella, que está cada dia mais linda),que se conhecem ao montar uma peça de teatro sobre o texto de Tristão e Isolda; a beleza do conto é que mostra pessoas profundamente apaixonadas, o amor no máximo expoente. E sobre essa tela joga a relação da vida real de Ana e Pedro, com seus problemas de entendimento, falhas de diálogo, problemas tão reais como eles mesmos, tão humanos e imperfeitos.

O filme conta e repete várias vezes o conto medieval, e brinca com as imagens de quadros e pinturas que reconheço de ter visto tantas vezes, do lado dos textos que leio. Neste post, coloquei a que considero mais popular, O "Tristam and Isolde" de 1916 de John William Waterhouse.

Gostei do idealismo do Pedro, tão heróico e decidido. Gostei do bom senso da delicada Ana, tão femenina quanto as belas damas dos contos.. Gostei mais ainda da química deles. O filme é regado a vinho, como o vinho do amor que Isolda deu para Tristão no navío, enquanto viajavam para encontrar o Rei Mark. Com certeza, vai entrar para a videoteca de casa, eu vou assistir do lado do meu amor com uma taça do Malbec mais doce que encontrar.

3 comentários:

Renata disse...

Não conhecia esse filme, depois vou procurar :)

Pedrita disse...

adoraria ler em detalhes seu post, só que eu quero ver o filme. eu fui com minha mãe no jardim sul pra ver, estava sem luz, já era a segunda vez e nos "expulsaram" de lá. no outro shopping só seria à noite e vimos o ótimo feliz natal. mas estou frustrada até hoje pq estou sem tempo de ir ao cinema nesse fim de ano. é sempre assim. esses meses, setembro, outubro e dezembro estréiam os melhores filmes, como o vicky que tanto quero ver. e nunca consigo. frustrante. janeiro que eu tenho todo o tempo do mundo pra ver os filmes não tem quase nenhum interessante em cartaz. beijos, pedrita

Marion disse...

Amor, este filme me encantou. Mas te digo que este post me encantou muito mais. Com certeza quero rever o filme com você, em casa e bebendo vinho.

Adorei ter visto o filme com você. :)

Um beijo