Sessão Especial - The Sword in the Stone

Continuando a saga de posts sobre filmes arturianos, neste post vou passar minhas impressões sobre o filme "A Espada na Pedra", fita da Disney produzida em 1963 e inspirada no trabalho de T.H. White (nem que o musical Camelot, que comentei um par de posts atrás).


Esta versão da Disney ganhou há pouco uma edição especial em DVD em homenagem aos 45 anos do filme, que inclui extras como alguns jogos, imagens da produção, entre outras coisas. A capa deste pacote especial ilustra o post de hoje.

O desenho é bem Disney, com direito a cenas de vassouras dançantes, momentos Nemo, esquilos, cenas reaproveitadas, etc.etc. É um desenho bem tradicional, musical, clássico da época. Acho que uma das coisas que mais gostei foi da escala, a sensação de trocas de câmera, as camadas, com coisas passando na frente das outras. Disney fez uma revolução no estilo de produzir desenhos animados, e mais ainda ao dar a essa arte o espaço que antes era exclusivo dos atores de carne e osso. Para produzir um desenho, há roteiristas, diretores de arte, cenografistas, dubladores e tantos outros artistas antes ignorados, observados apenas como hobbystas, e como entretenimento barato. Filmes como este fizeram do desenho animado uma arte.

Os livros de T.H. White tem apelo infantil bem semelhante ao dos primeiros livros do Harry Potter. O filme apresenta a história do jovem Arthur, que todos chamam de Wart; uma criança nos seus 11, 12 anos de idade, que foi adotado por Sir Ector, e assim vira irmão adotivo de Kay. Wart é um menino de bom coração, e é fácil gostar dele, e com certeza as crianças que assistiram (e assistirão!) o filme vão se identificar com esse mundinho mágico.

Durante esta incursão no bosque para caçar, Wart cai literalmente na casa de Merlin durante uma saída para caçar com Kay.

Merlin é o clássico feiticeiro medieval, com barba longa e chapéu pontudo. Ele já viajou ao futuro, e por isso está cansado dos problemas medievais. Sente falta da eletricidade, dos trens, dos aviões... É por isso que na casa dele encontramos até um globo terráqueo com um papel que diz "o mundo como será quando descoberto em 1492". Esse conhecimento rende algumas confusões, é claro.

Merlim decide acompanhar Wart até o castelo, e se mudar pra lá junto de Arquimedes, sua coruja falante e bem educada. A partir deste momento ocorrem vários momentos mágicos, onde o jovem Wart tem a oportunidade de ver a vida como outras criaturas; ele é convertido por Merlin em peixe, em esquilo e finalmente em pássaro. Tudo isso para que veja como cada espécie tem seus problemas, e aprenda a se colocar no lugar dos outros, a pensar diferente.

Infelizmente Wart não teve tempo no filme para explorar seus aprendizados, já que o filme acaba na cena em que puxa a espada da pedra, e é anunciado como o novo rei da Inglaterra. Quer dizer, passou por um bocado de coisas, mas ficamos sem saber no que deu. Apenas que esse jovem, chamado Wart, seria o Rei Arthur, e teria a Merlin como seu conselheiro. E a coruja Wart, dando palpites.

A frase que quero resgatar do filme ocorre logo após a cena dos esquilos. Começamos com Wart e Merlin em forma de esquilos, no topo de uma árvore:

Merlin -Wart, cuidado! Você não pode pular de galho em galho sem calcular! A gravidade te afeta diferente agora que você é um esquilo!
Wart - O que é gravidade?
Merlin - Bom, é uma força que atrai todos os objetos entre si. É o que te faz cair.
Wart - Como um empurrão?
Merlin - Não.. em.. É o que te atrai para o chão. Só isso.

Nesta cena duas esquilos fêmeas encontram Merlim e Wart, e os confundem com esquilos machos. Eles tem um trabalho enorme para fugir das "esquilas casadeiras", por falar assim. Uma vez que voltaram a forma normal e estão voltando para casa, surge esta conversa:

Merlin - Sabe Wart, esse negócio de amor é uma coisa poderosa.
Wart - Maior qué a gravidade?
Merlin - Ehem.. É. É sim. Maior que a gravidade. É a maior força que existe.

Para mim, a melhor frase do filme. Merlin era o cara...

Até o próximo post!

6 comentários:

Renata disse...

Acho que vou incluir na videoteca da Bia!
Beijos!

Wally disse...

ôpa! Quem sabe não ganha isso do tio Wally??

Beijos!

Mara Sop disse...

Não tem absolutamente NADA a ver com o post, mas estava fuçando na wikipédia e achei esse "figura" aqui, já ouviu falar dele?

http://en.wikipedia.org/wiki/Arthur_Uther_Pendragon

;)

Wally disse...

@Mara: Pelamordeus.. olha só o sujeito que vc encontrou. Esse vai para o blog, merece! Tem louco pra tudo, né?

Roberta Atisano disse...

Ah! Walt Disney era "o cara" qdo o assunto era animação... sou fã dele e fã de todos os clássicos, inclusive este, que une duas coisas que gosto muito: desenho animado e mitologia.

Pra vc que gosta do tema, recomendo (se vc ainda não conhece) a trilogia da Mary Stewart sobre a estória do Rei Arthur, da família Pendragon e de Merlin.

Muito bacana o teu blog. Cheguei nele pelo da Marion...

Abraço.

Wally disse...

@Roberta: Então, estou me devendo os livros dela; já dei de cara com os livros um par de vezes nas livrarias, mas não tinha como arcar nessa hora e foi ficando. Tem um pequeno detalhe, só: a trilogia do Merlin consiste em 3 livros de fato, mas ela escreveu mais dois na sequencia, também com personagens do mundo arturiano.
Obrigado pela visita!