Lord Of The Owls

Faz tempo né? Venho de um par de semanas bem cheias de eventos especiais. Meu reencontro com meu sobrinho Daniel, o que rendeu ótimos dias recheados de saídas, música e muitas risadas. Foi na semana de férias com ele, específicamente na terça-feira 7/12, que fiz minha já tradicional maratona dos filmes do Senhor dos Anéis, especificamente a versão platina do diretor, que é eterna. Bom, não exatamente eterna, mas só de filme dá 12 horas. Regularmente, uma vez por ano, junto uma galera em casa para ver os 3 filmes do Peter Jackson na sequencia, tudo no mesmo dia, com as óbvias pausas para conversar, comer e etc.

Tá bom, eu sei.. é uma coisa bem nerd, mas curto pra caramba, então vou continuar fazendo! Acho os filmes espectaculares, e cada vez que assisto percebo um novo detalhe. É incrível reencontrar esses personagens todos uma vez por ano, rir das mesmas piadas, se emocionar com as mesmas cenas de ação. E a cada ano, as pessoas que participam comigo dessa experiência mudam, seja por compromissos particulares que não coincidiram com a data, ou qualquer outra coisa.

Este foi o primeiro ano que caiu de fazer o evento no meio da semana (aproveitando as férias), e também a primeira vez que vejo do lado de alguém da minha familia pré-era-brasiliensis. Foi interessante porque o Daniel, embora entenda bastante bem, ainda não consegue pegar tudo em inglés, e o primeiro dos filmes somente tem legenda nesse idioma, portanto volta e meia fazia algumas pausas para explicar o que me perguntava, ou mesmo coisas que eu sei de cor que são importantes na história para entender depois. Os outros dois filmes da trilogia tem legendas em espanhol, portanto a partir do segundo filme pude ficar apenas assistindo.

Durante as cenas, sempre surgem debates sobre a personalidade dos personagens, ou as manjadas piadinhas já conhecidas de cada cena. Isso tem um charme inigualavel, é como ouvir teus avos contando a mesma historia, e fazendo as mesmas piadinhas. E por isso, nesse dia, J.R.R Tolkien é nosso vovozinho mais querido, que lê de novo, e de novo, e de novo a mesma história pra gente.

Com suas conquistas e erros, gosto muito do Tolkien. É um exercício de constancia e disciplina ler seus livros, já que a quantidade de nomes, personagens e lugares é tão abundante (fora os idiomas inventados) que requer muita dedicação para chegar ao final da história. Não são livros para ler rápido, com a ansiedade que é lida uma novela qualquer. Por exemplo, lembro que li o Código Da Vinci em 3 dias, na tela do notebook... já do Tolkien não consigo ler um poema no micro que tenho que parar e começar de novo.

Todo esse universo criado por Tolkien se apoia muito em lendas antigas, especialmente celtas. Há muitas histórias sobre objetos mágicos, especialmente anéis e caldeirões (e DUVIDO que alguém lembre DESTE POST!). Como tudo é cíclico, a riqueza literária da Terra Média criada por Tolkien serviu de inspiração a outros, que com o tempo pegaram as mesmas idéias (ou quase as mesmas) e deram sua própria leitura.

Um dos casos mais recentes que tive chance de ver foi o filme "A Lenda dos Guardiões". OK, são corujas, eu sei. E são 15 livros, e não 3, quer dizer, um livro em 3 partes. Mas, salvando esses detalhes, é fácil ver as semelhanças em pontos importantes da história:
  • Duas jovens e inocentes corujas (ou hobbits..) são levadas para longe da sua terra.
  • O vilão da história, segue a linha do Dark Lord. Até no visual levado ao cinema ficaram bem parecidos.
  • Duas corujas fazem uma viagem onde encontram outras corujas com diferentes talentos, que acabam se juntando para formar uma sociedade que levará a cabo a tarefa de chegar em determinado lugar. Forma-se assim, a sociedade do an.. eh, perdão, no filme dos guardiões o grupo das corujas não tinha nome, que eu lembre.
  • Nessa viagem fantástica, onde o grupo enfrenta a fúria do clima, acabam chegando a uma terra onde os elfos, (digo, as corujas mais elevadas espiritualmente) que moram no alto das árvores sagradas.
  • Perto do meio da história, descobrem que um antigo e épico herói na verdade ainda está vivo, e bem perto deles.
  • O herói da história resolve uma situação impossível jogando fogo em uma coisa. No outro, jogaram uma coisa no fogo. Dá quase na mesma, né?

Piadas à parte, "A Lenda dos Guardiões" é um filmão, e vale a pena assistir. Mas não era disso que eu queria falar exatamente; o que quis mostrar é como a lenda celta e nórdica inspirou Tolkien, que por sua vez vem inspirando tanta gente. E como era inevitável, Tolkien está influenciando as mais novas lendas arturianas, e assim o ciclo recomeça. 
Já faz um par de posts que venho falando do seriado Merlin, e foi olhando o site oficial que me veio a idéia deste post. No menu dos personagens, é possível conhecer todos os heróis e vilões que apareceram no seriado ao longo das 3 temporadas. E foi assim que cai nesta foto:
 

Estes são os Cavaleiros de Medhir. Casualmente, são 7 cavaleiros que foram seduzidos pelo poder de um feiticeiro, e agora o servem cegamente. Isso me lembrou imediatamente dos Nazgûl, os 9 reis corrompidos pelo poder do Anel Único, e sob o domínio do Sauron. Olha só:



Que por sua vez, guardam um parecido (embora mais distante) com as corujas do mal do filme:



Coincidência? Não... acho que não.

E assim voltamos ao começo de tudo, as lendas celtas deram de beber a Tolkien, quem depois deu de beber a tanta gente que até as corujas viraram orcos, elfos, hobbits e outros, e finalmente voltou para a lenda arturiana. E de vocês, quem lembra de outras obras influenciadas pelos textos do Tolkien? Comentem!

Até o próximo post!

Um comentário:

Renata disse...

Acho que a influência de Tolkien aparece em muitas (se não a maioria ou até todos) histórias fantásticas. Por mais que ele tenha se baseado em lendas antigas pra criar seu mundo e seus personagens, acredito que ele seja hoje muito mais popular que as próprias lendas (graças aos filmes, principalmente) e aí não tem quem não crie um mundo fantástico sem um orczinho ou um elfo que seja - e não precisa pensar muito pra encontrar as semelhanças com Tolkien.
Eu adoro Tolkien, e queria ter mais tempo pra ler (e reler) os livros dele. Tenho dois aqui pra ler, mais dois pra comprar, e os principais pra reler. Mas quando olho pro tamanho do meu volume único, acabo sempre deixando pra depois...
Beijos!