Nas Terras do Rei Arthur - Parte 1

Finalmente e de forma completamente inesperada, o destino brincou ao meu favor e me vi com uma passagem para Inglaterra nas mãos. Me lembrei do Uthred, personagem principal das Crônicas Saxônicas de Bernard Corwell, contando como as fiandeiras do destino (as Norns) teciam as raizes de Yggdrasil, a árvore da Vida da mitologia nórdica. Segundo a mitologia nórdica, são elas que entrelaçam e desfazem os nós nas raizes de Yggdrasil, e assim a vida vai tomando rumos que nunca podemos prever, mas que estão escritos. 

Como várias outras vezes, surgiu a possibilidade de uma viagem para Alemanha, que foi se atrasando e atrasando por falta de hotéis e passagens. Tudo para um workshop, um encontro de trabalho com outras pessoas de vários paises. O fato é que por questões de agenda, acabaram marcando esse encontro a partir do 5 de Abril, com data para acabar no dia 8. Eu respirei aliviado, porque estava com receio de perder o show de U2, marcado para o dia 9 e com ingresso na mão fazia meses. O que não calculei e foi completamente inesperado foi a mudança do destino para Inglaterra, já que ficava mais fácil conseguir hotel e reservar para o evento. 

Quando soube, comecei a me apavorar. Será que eu ia viajar, ou colocariam outra pessoa? Será que aprovariam a viagem? O fato é que até quatro dias antes da viagem, eu não tinha a confirmação da minha ida, nem passagem, nem nada. Foi tudo às pressas. Detalhe: teria a segunda-feira livre, já que chegava em Londres na segunda-feira bem cedo, e o evento era só na terça, em outra cidade a uma hora de viagem. Assim, sabendo desse dia livre, comecei a bolar o plano mais ambicioso que se pode montar em apenas um dia. 
Então, a primeira pergunta que me fiz. Onde vou? O que posso fazer em um dia?

Sem conhecimento algum da geografia da Inglaterra, comecei a estudar o mapa, buscando lugares que lembrava da lenda arturiana, e ver quais as chances que teria de visitar os lugares. Isso envolve a logistica do transporte, a grana necessária, o tempo que pode levar para ir e voltar e ainda ver se o local estaria aberto. Então, a primeira coisa que fiz foi olhar na internet alguns mapas políticos da Inglaterra. E vi que é uma verdadeira bagunça.

Inglaterra é dividida mais ou menos em 80 condados. É isso mesmo, OITENTA. Imaginem decorar os estados do Brasil, ou as províncias da Argentina, só que no lugar das 20 e poucas são 80. Detalhe: comecei a dar zoom no mapa, e vi os nomes. Tinha um monte de Sei-Lá-O-Quê-Shire. Hamptonshire, Birminghamshire, shire, shire, shire. Vou me perder como um otário, pensei. Aí afastei o mapa, e procurei primeiro Londres (no meio do reino, um pouco para abaixo), e procurei Milton Keynes, a cidade onde ia passar os dias do workshop. Milton Keynes fica bem no meio, em uma divisão do mapa que se chama oportunamente de Midlands (terras do meio, ehem..). Ao pesquisar sobre Milton Keynes, descobri que era uma cidade bem nova, fundada em 1971 e inspirada na americaníssima Los Angeles. Ou seja, nada nem remotamente histórico na cidade, nem realmente inglês (salvo a mão das ruas, que é bem perturbador para quem está habituado com vías na mão direita).  

Assim, comecei a pensar... Deixa ver... Onde posso ir? Ou melhor, onde gostaria de ir? O que quero visitar? O que é genuinamente arturiano?

A primeira cidade que me veio à mente foi Glastonbury. Glastobury é fundamental na lenda por ser o lugar de descanso final de Arthur; embora a lenda diga que foi em Avalon, há razões para pensar que Avalon na verdade seja uma região de terra que eventualmente fica ilhada por causa da maré, enquanto em outros momentos fica rodeada por terra por todos os lados. É uma ótima maneira de disfarçar uma ilha... O lance é que Glastonbury e sua catedral (hoje em ruinas) é o lugar onde foi achado um painel falando que era o túmulo de Arthur e Guinevere, e alguns metros abaixo desse painel foram achados dois corpos enterrados, de um homem e uma mulher. Estes corpos sumiram em determinado momento, mas até hoje tem visitantes que levam flores às ruinas, onde resta uma pequena placa com o nome do lendário rei. Só tinha um problema: Glastonbury é longe demais de Londres, e fica completamente fora de mão. 

Mudando de idéia, lembrei de Tintagel. Já que não poderia ver onde terminou a vida de Arthur, por quê não ver onde nasceu? Tintagel era o castelo a beira-mar do Gorlois, marido da Elaine que posteriormente viria a se tornar mãe de Arthur, filho de Uther Pendragon. Gorlois foi morto por Uther, e através de um feitiço do Merlin Uther tomou a aparência de Gorlois, e entrou não somente no castelo de Tintagel, como acabou entrando na cama de Gorlois e engravidou a Elaine. Tudo isto não foi apenas obra do acaso, mas um elaborado plano do Merlin. Essa criança não cresceria ao lado dos pais, mas seria levado para longe, onde seria descoberto como verdadeiro e único rei quando fosse o momento certo. Esse momento foi revelado com a clássica cena da Espada na Pedra. Então, Tintagel parece uma ótima opção, salvo por um detalhe: é ainda mais longe do que Glastonbury, afinal, é beira-mar, né?
Enquanto ia desanimando e perdendo as esperanças, senti um calafrio intenso, e uma faísca de memória estalou na cabeça. Inglaterra. Estou indo para Inglaterra. Terra antiga, envolta em brumas e mistérios. Fervilhando de lendas e lugares épicos. E entre eles, um dos maiores mistérios, não resolvido até hoje, e que provavelmente fique sem resposta até o fim dos dias. Stonehenge.

Comecei a pesquisar. Horários, cidades, transportes. E descobri, já radiante de alegria, que Stonehenge fica em Salisbury, apenas a duas horas de trem de Londres. Vitória. Finalmente tinha um destino.

Como um turbilhão, outra memória veio à cabeça, e comecei a pesquisar no blog. Encontrei o que buscava e, para meu fascínio, ficava na cidade de Winchester. Onde fica Winchester? Exatamente a metade de caminho entre Londres e Salisbury. E eu tinha um plano nas mãos.

Busquei mais informações, pesquisei trens, horários, combinações, e tudo foi se encaixando. Fui meu melhor agente de viagens. Tudo funcionou à perfeição, tudo conforme ou até melhor do que esperado. Tudo o que me propus a fazer, fiz. E um pequeno diário de viagem registrou cada momento, junto com a câmera de fotos, que não saiu do meu bolso nessa longa e intensa segunda-feira.

Esse caderninho me acompanhou em cada trem, em cada parada, e tem nele cada palavra. É o primeiro registro de cada emoção, de cada experiência vivida nessa viagem.

Mas, o que tinha em Winchester? Conto no próximo post.

Um comentário:

Renata disse...

Esperando o próximo post!! :)