Reflexão de Hoje: Ctrl-C

Percebi que nos últimos tempos tenho lido muito pouco, por diversas razões. Isso é uma pena, porque além de curtir muito a leitura, é uma atividade que enriquece a mente e nos dá uma perspectiva diferente das coisas. Este meu trabalho no blog é resultado de muita leitura e pesquisa, de correr atrás de textos e em práticamente todos os casos traduzir algumas partes do texto para colocar aqui.

Acredito muito que o que faz as pessoas voltarem ao blog é justamente essa riqueza de informações, através de um idioma que possam entender e muitas vezes usando um discurso bem mais amigável que os livros históricos.

Tem um contador de visitas aqui no blog, que hoje está na casa dos 21.800 acessos. Por trás desse contador há muitas outras estatísticas que o contador guarda e não aparecem para todo mundo. A questão é que tem gente que caiu no blog fazendo pesquisas na internet sobre os termos mais variados, mas que por uma causa ou outra apontaram pra cá e trouxe essa gente toda e checando esses acessos, vi que nos últimos meses tem crescido MUITO a quantidade de pesquisas sobre trabalhos escolares relacionados ao Rei Artur e suas lendas. É. Pasmem. Parece que o Artur chegou nas nossas escolas...

Ainda assim, ficou na cara que tem um outro problema por trás disso. Primeiro, essa molecada está fazendo o dever de casa, mas acho que estão fazendo errado. Quando alguém pesquisa sobre um assunto, é bom pesquisar na fonte; até por isso que sempre coloco as referências de onde pego conteúdo, e tento localizar alguma outra versão para confirmar a teoria. Nossos pirralhos, os futuros cidadãos brasileiros, estão fuçando aqui no meu blog para fazer seu trabalho da escola, ou falando melhor, para COPIAR o trabalho da escola. Assim aparecem expressões de busca "brilhantes" como éstas:

- lancelot e guinevere resumo
- no livro a demanda do santo graal o que disse lancelote na entrada da floresta antes da demanda

- quero um texto sobre o rei arthur e os cavaleiros da távola redonda

- analise do texto sir gawain e o cavaleiro verde

- resumo do livro do rei arthur frank thompson

- graal a nau do leao resumo

- tristão e isolda as diferenças entre o filme e o livro

- trechos da obra "os cavaleiros da tavola redonda"

- resposta das questoes arthur and merlin

- trechos da demanda do santo graal traduzido para portugues


E a duas grandes finalistas para o maior título de aluno preguiça 2010:

- como podemos comparar a távola redonda nos dias atuais

- o cavaleiro sem nome so resumo para trabalho

- explique qual é o tema central do filme tristao isolda


Meu... O quê que é isso. A última é particularmente revoltante. Tristão e Isolda é um clássico, um baita livro, com uma história que trascende o tempo e é lida como se fosse nos dias de hoje (e não, não podem copiar essa última frase no trabalho da escola).

Não bastasse isso, a pergunta é sobre o filme... Não tem duas horas para ver um filme? Mesmo? Sério? Ainda um filme desses? Tenho certeza que o Avatar todo mundo viu, o Homem de Ferro todo mundo viu, os três filmes do Homem Aranha e os três do Wolverine também, mas o Tristão e Isolda não. Faltou tempo, não deu, não achei, etc., etc.

Agora, falando aos copiões que vem fazer Ctrl-C no meu blog. Vocês sinceramente acham que ganham alguma coisa com isso? Mesmo? Vocês acham que os professores são idiotas? Eles também tem internet, e para cada palavra que vocês colocam, eles pesquisam por essas frases na internet, da mesma forma que vocês. E chegam no meu blog. E percebem que vocês copiaram o trabalho, e não se deram sequer o trabalho de ler ou assistir qualquer coisa. No fundo, quem perde com isso tudo são vocês. Há uma razão para receberem esse conteúdo; se chama cultura. Os professores estão se esforçando para que tenham cultura, que não sejam uma boiada que se deixa levar sem pensar. Mas o que vocês estão fazendo é exatamente o contrário; estão pegando o caminho mais preguiçoso, não estão pensando, e assim nunca vão pensar também.

Falando aos professores: fiquem todos convidados para conversar comigo. Admiro sua dedicação, e especialmente com usa paciencia ao aturar coisas como essa. E desculpem meus erros de portugués, embora minha desculpa seja boa para errar. Espero poder ajudá-los desde aqui a melhorar a cultura de um país e de futuros cidadãos que muito precisam dela. Parabéns pela escolha de um assunto tão rico e interessante.

Às visitas de sempre: Muito Obrigado pela preferência. Temos um longo caminho pela frente!

No próximo post, quero contar algumas das preciosidades que encontrei no IMS, o Internet Medieval Sourcebook. Para quem não conhece ou não lembra, é um arquivo gigantesco de textos antigos, principalmente do periodo medieval, com todos os assuntos possíveis. É texto medieval sem importar sua índole. Legislação, doutrinas, contos, tickets de supermercado, etc. Quem quiser ler um pouco antes do meu post e quiser conversar comigo sobre o assunto, a dica está dada, e o link aqui também.
Até o próximo post!

3 comentários:

Gammelo disse...

pois é wally, hoje em dia ninguem mais ta afim de ler livros grandes, a não ser que falem de vampiros se apaixonando ou pessoas voando em vassouras...
O que a gente pode fazer é incentivar as pessoas a ler mais e parar de copiar e colar
abraço

Renata disse...

O blogger comeu meu comentário :(

Bom, repetindo, é uma pena ver tanta gente nova com tanta preguiça de pesquisar, ler e aprender (isso porque Rei Artur é um assunto tão gostoso, imagina os assuntos chatos). Tomara que essa tendência mude e a inclusão digital passe a gerar pessoas mais inteligentes e não cada vez mais burras, como vem acontecendo.

E conheço um caminhão de brasileiros que não fala/escreve metade do seu português... a meu ver, básico pra qualquer povo!

Mudando de assunto, leu/tem Terra em Chamas? Eu tô terminando de ler e tô gostando, mesmo com algumas ressalvas (de ordem romântica e não histórica, rs)

Bjos!

Wally disse...

@Gammelo, pelo menos os escritores ainda acreditam e continuam lançando grandes livros. Penso a briga que não foi entre o Tolkien e seu editor quando quis lançar O Senhor dos Anéis como um livro único... Ainda mais com a confusão do segundo livro que volta atrás para contar o que aconteceu quando a Sociedade do Anel ficou dividida.

@Rê, blogger faz isso com algumas pessoas, eventualmente... é bem randômico. Acho que o post de hoje mostra como é fácil entrar nas histórias de Camelot, quem não lê é por preguiça e imediatismo mesmo. Não fosse o imediatismo o Twitter não existiria. Pensa comigo, como seria um Twitter do Camelot or What? Nem os comentários dos posts consigo fazer curtos!

Não li o Terra em Chamas ainda, está na prateleira! Estou no terceiro livro ainda, tenho que correr um pouco. Por sinal, estão me perturbando os finais tristes do Cornwell... a gente vai ficando com carinho dos personagens, e sempre morre mulher, filho, etc. Pelo que li até agora, a saga do Uthred tem muito pano da trilogia do Arthur, não é?

Obrigado pelos comentarios!