A Távola Redonda

Puxa... ninguém disse nada mesmo hein? Eu falando na semana passada que os artefatos míticos terminavam no último post, e ninguém para lembrar da távola redonda? Tudo bem, eu esqueci também, hehe...

A Mesa Está Servida...

A tal de távola redonda conhece duas definições. A mais comum e conhecida é a clássica de uma mesa redonda, de diâmetro considerável, onde todos os grandes cavaleiros de Camelot se reuniam ao chamado do Rei Arthur para debater as questões de importância. A mesa tinha este formato para que ninguém possa se considerar mais ou menos importante conforme sua distância da cabeceira da mesa. Mesmo assim, teve uma cadeira que ficou vaga, a famosa cadeira perigosa, que expliquei no post anterior.
A segunda definição, menos conhecida, diz que a Távola Redonda não era somente uma mesa, mas uma ordem da cavalaria, a mais elitista dentro das muitas em Camelot.

Eram os mandamentos dentro da Ordem:

  • Nunca saquear ou assassinar
  • Sempre rejeitar a traição
  • Não ser cruel, e ter piedade para quem pedir por ela
  • Socorrer mulheres, damas e viúvas
  • Nunca forçar mulheres, damas e viúvas
  • Não se envolver em brigas tolas de amor ou por bens
Temos que admitir que a metade delas são plausíveis de interpretação maliciosa, mas na época em que foram escritos estes mandamentos, as pessoas não tinham segundas intenções, ou não sabiam disfarçar direito. Ah, saudade da idade média...

Históricamente falando...

A távola redonda teve sua origem lá pelos idos 1155, o "Roman de Brut" de Wace foi um texto, basicamente uma releitura do clássico primeiríssimo texto arturiano, de Geoffrey de Monmouth. Neste livro, Wace escreveu que a mesa tinha esse formato para manter a posição de todos os cavaleiros como iguais, sem distinção entre eles. Neste texto foi também contada a história da origem da mesa.

Estava Merlin sem fazer nada, sem aprontar, e de puro tédio foi bater papo com Uther-Pendragon, futuro pai do Arthur. Contou para ele a historia da Ultima Ceia, e ao descrever a mesa.. falou da mesa redonda, deixando os discípulos como iguais. O Rei mandou construir esta mesa, e a entregou como presente para o Rei Leodegrance de Cameliard, futuro pai da Gueinevere. Uns bons anos depois, a mesa foi o presente de casamento entre Arthur e Gueinevere, que trouxe a mesa novamente para Camelot. Foi Merlin também que criou a cadeira perigosa, que poderia ser ocupada somente pelo mais puro dos cavaleiros (that means Galahad, pra que não leu o post anterior).

A Dança Das Cadeiras

A criatividade dos diferentes autores sobre a távola redonda é tal, que a variação na quantidade de lugares é digna de inquérito. Vejam só:

  • 13, no Didot-Perceval (1225)
  • 50, no "Merlin" de Robert de Boron (1195)
  • 60, no "Ly Myreur des Histors (1350)
  • 130, no "A Lenda do Rei Arthur", balada Inglesa de séc. 16
  • 140, em "Erec" e "Iwein" do Hartmann von Aue (séc. 12)
  • 150, no "Lancelot" do período Vulgato (1220)
  • 250, no "Merlin" do período Vulgato (1225)
  • 1600, no "Brut" de Layamon (séc. 12)
  • 12, segundo a Marion de Marion e Sua Vida
Sim, perguntei para a Marion, afinal todo mundo tem direito de opinião. A questão é que uma mesa circular com capacidade para umas 30 pessoas já tem 6 metros de diâmetro, o que torna inviável pensar em qualquer conversa civilizada. É, sem Messenger, ICQ ou GTalk fica difícil...
Mesmo assim, existiu uma távola redonda, uma obra de arte da marcenaria.

A Verdadeira Távola Redonda

Castelo de Winchester. Um grande salão, admirável na sua arquitetura, tem na parede central uma grandiosa mesa redonda, pendurada na parede. Esta mesa possui inscritos os nomes dos cavaleiros nos seus respectivos lugares. Diz a lenda que os nomes, escritos em ouro, são obra de um feitiço de Merlin, e estes nomes mudavam conforme os ocupantes da mesa.
Eis os nomes:

  1. S(ir) galahallt Sir Galahad
  2. S(ir) launcelot deulake Sir Lancelot
  3. S(ir) gauen Sir Gawaine
  4. S(ir) p(er)cyvale Sir Percival
  5. S(ir) Iyonell Sir Lionel
  6. S(ir) trystram delyens Sir Tristan
  7. S(ir) garethe Sir Gareth
  8. S(ir) bedwere Sir Bedivere
  9. S(ir) blubrys Sir Blioberis
  10. S(ir) lacotemale tayle Sir La cotemal tail
  11. S(ir) lucane Sir Lucan
  12. S(ir) plomyd Sir Palamedes
  13. S(ir) lamorak Sir Lamorak
  14. S(ir) born de ganys Sir Bors
  15. S(ir) safer Sir Saphar
  16. S(ir) pelleus Sir Pellinore
  17. S(ir) kay Sir Kay
  18. S(ir) Ectorde marys Sir Ector
  19. S(ir) dagonet Sir Dagonet
  20. S(ir) degore Sir Degore
  21. S(ir) brumear Sir Brunar
  22. S(ir) lybyus dyscovy(us) Sir Guinglain
  23. S(ir) Alynore Sir Alymore
  24. S(ir) mordrede Sir Modred
Foi em 1976 que um estudo sério sobre a idade desta mesa teve inicio, usando técnicas como idade do carbono en raio-x. A descoberta deste estudo questionou até o que ja era sabido ou escrito sobre a mesa como tal. Originalmente, acreditava-se que esta mesa foi construida em 1463, e pintada em 1522 para o Rei Henrique VIII. Mas os estudos em carbono e sobre carpintaria da epoca revelaram que na verdade esta mesa foi feita por volta de 1270, no começo do reinado do Rei Eduardo I. Coincidentemente, o rei passava nessa epoca por um interesse enorme nas lendas arturianas, ao ponto que foi uma das pessoas presentes durante a abertura do túmulo encontrado em Glastonbury, que "seria" do Rei Arthur. Esta mesa foi provavelmente usada muitas vezes durante os torneios promovidos pelo rei, chamados na época de távolas redondas.

Agora sim, sem pegadinhas, terminam os posts sobre os objetos míticos; agradeço a todos pela leitura e a quantidade de curiosas visitas durante o fim de semana à espera do post.
Mmm... sobre o que escrevo na semana que vem??


7 comentários:

pedrita disse...

eu não sinto tanto mistério na távola redonda, já que não há tantos mistérios sobre ela. vejo uma távola como um congresso, onde escolhidos decidiam questões importantes. eu adoraria ler algo sobre a fada morgana. beijos, pedrita

Renata disse...

Eu náo vejo a Tavola redonda como uma mesa grande e cheia de segredos, mas sim como um local de discussão de pessoas que influenciavam e decidiam questões de guerra... mas fiquei surpresa com a mesa de 1600 lugares, imagina o tamanho disso, heheh!
Adorei a foto do castelo de Winchester, deve ser um lugar lindo...
Eu ia sugerir exatamente a Morgana, como a pedrita sugeriu, para o proximo post!
Beijos!

Andrea disse...

Wally, estou impressionadíssima com a qualidade e com as minúcias dos seus textos. tenho aprendido bastante.

Acho que já tá na hora de você começar a devassar - com todo respeito - a mulherada de Camelot.

Muita gente acha que Morgana e Guinevere são duas faces de uma mesma moeda e que representam, desta forma, todas as contradições do feminino.

Fico no aguardo. Bjs

Andrea disse...

Só agora li os comentários, juro....rs

Acho que seu público exclusivamente feminino exige ser representado!!!

Wally disse...

A távola redonda pode não envolver tantos mistérios quanto o graal ou excalibur, mas ainda assim é um dos artefatos mais conhecidos da lenda arturiana, e não podia deixar de falar nela. Afinal, rendeu um bom post para complementar os anteriores, ou não?
Acho que minhas leitoras confabularam para exigir assunto.. os pedidos serão atendidos, em seu devido momento. Vou falar de Morgana, de Gueinevere, de Nimue, e outras mulheres na lenda, mas somente depois de estudar o quanto achar necessário para render um bom post. São personagens importantes, e vão dar bastante assunto para falar.
Acho que o que mais me espantou for ver que os comentários femeninos pediram para falar sobre mulheres, mas nenhum comentário para falar do Lancelot.. A pergunta é, porque as mulheres estão mais interessadas em saber das coisas escabrosas por trás de outras mulheres?
Deixo a pergunta em aberto...

pedrita disse...

eu adoro o lado guerreiro das mulheres que circundam as histórias do rei arthur.

pedrita disse...

ah, e o lancelot não foi aquele que traiu o melhor amigo? que ficou com a mulher do outro? nunca admirei o lancelot.