Guinevere. A Rainha Dada.

De como Guinevere deu sua flor para outro jardineiro, e do que aconteceu depois.

Beleza, Lancelot se estropeou inteiro para atravessar a ponte da espada, mas finalmente chegou do outro lado, nas terras do rei Bandemagus e seu filho Meleagant, raptor da rainha.

Ilustração - Lancelot atravessa a ponte da espada, e encontra Meleagant. A rainha Guinevere e o rei Bandemagus observam tudo do alto da torre.

Graças ao Bandemagus, a rainha ficou reclusa sozinha, apenas com os serviçais que iam e vinham. O rei sabia que o filho dele cobiçava a rainha, e para evitar males maiores manteve a rainha afastada do Meleagant. Com isso manteve a honra da rainha, a do filho, e não tirou dele o direito que tinha sobre a justa que ganhou.

Conforme contei antes, quem vencesse o cavaleiro (Meleagant) em justa disputa, poderia reaver a rainha e levar consigo prisioneiros e exilados; foi assim então que apenas sararam as feridas de Lancelot, foi promovida a disputa.

Bandemagus e a rainha Guinevere observaram esta disputa desde o alto de uma torre. Lancelot estava perdendo, até que uma donzela perguntou para a rainha qual o nome do cavaleiro que por ela lutava, e revelou seu nome, Lancelot do Lago. Foi assim que a donzela chamou a atenção de Lancelot, pedindo para olhar para a torre; assim que viu a rainha, suas forças voltaram, e lutou com afinco ao ponto do rei Bandemagus pedir para a rainha pela vida do seu filho, implorando para ela dizer ao Lancelot que parasse com a luta, pois levava grande vantagem.

Meleagant se considerou injustiçado com isso, alegando que podia vencer Lancelot (mesmo quando não tinha mais forças nem condição de lutar). A decisão foi que Lancelot ganhou a justa, mas deveriam combater novamente em um ano para decidir de fato quem tinha ganho. Ele poderia levar a rainha e todos os exilados, e a nova luta aconteceria desta vez em Camelot.

Após a justa, Lancelot foi levado para ver a rainha e o senescal Kai, que também estava preso por lá, após a tentativa falha de resgatar a rainha ainda em Camelot. Mas as coisas não correram bem, e a rainha mandou ele embora. Não quis falar com ele.

Esta conduta veio pelo fato de que ele tinha se desonrado ao subir na charrete. É, tudo volta.

Kai estava coberto em chagas, ainda da luta com Meleagant. Suas chagas nunca saravam, porque embora ele recebesse os melhores cuidados do rei, Meleagant se encarregava de mandar outros médicos com ungüentos mortais. Assim, enquanto melhorava durante o dia, desfalecia pela noite.

Como Lancelot não conseguiu levar a rainha (apesar de ter vencido a justa), ele partiu para procurar Sir Gawain, que vinha para as terras de Bandemagus com o mesmo propósito, porém por outro caminho, o da ponte sob-a-agua.

Ele foi embora desarmado, acompanhado por muitas pessoas que agora eram livres. Mas as pessoas daquela terra que souberam como Lancelot venceu a batalha, acharam que fariam bem em prender Lancelot e levá-lo prisioneiro para agradar ao rei. Assim fizeram, sem encontrar resistência.

Antes deles chegarem ao castelo chegou a notícia de que Lancelot tinha morrido nesse ataque, e com isso Guinevere sentiu-se culpada. Ela se arrependeu de ter rejeitado dessa forma Lancelot, por quem na verdade caía de amores.

Finalmente Lancelot chega ao castelo, é liberto, e com toda a situação aclarada, é chamado novamente para ver sua rainha. Eles conversam longamente, se perdoaram pelas ofensas. Eles querem falar de outros assuntos, mas não tem como rolar um clima nesse momento. Então, ela disse baixinho para ir até a janela dela à noite, para falarem assim, ela dentro e ele fora. Ele não poderia entrar no quarto dela, porque o senescal Kai fica neste quarto também, embora sempre desmaiado e sangrando suas chagas, e porque uma grade enorme protegia a janela de invasores.

Obvio que Lancelot não ia se conformar com ficar olhando. Entortou a grade, mas se machucou ao entrar. Ele entrou no quarto, e na cama da rainha rolou. E rolou. E rolou. Macho-Alfa é assim mesmo.

Ilustração - Lancelot pula a cerca.

Kai nem ficou sabendo, na verdade ninguém soube. Lancelot saiu pela mesma janela, e colocou a grade do jeito que estava, para ninguém suspeitar. O problema é que as feridas de Lancelot ao entortar a grade fizeram suas mãos sangrar, e manchou os alvos lençóis da cama da rainha. Ela, por sua vez, nem percebeu no escuro.

Meleagant foi visitar a rainha nessa manhã, e ao ver os lençóis sujos de sangue fresco, acusou Kai de deitar com a rainha, e desonrá-la. Ela se defende, disse que sangrou pelo nariz, na verdade fala umas preciosidades que vale a pena colocar por completo, enquanto se defende na cama ensangüentada na frente de Bandemagus e Meleagant:

- Minha senhora - diz o rei -, se meu filho disse a verdade, a cousa vai muito mal! - Deus - responde ela -, quem jamais contou mentira tão horrível, mesmo que nascida de um sonho mau! Mas o senescal é bastante leal e cortês para merecer confiança. Quanto a mim, não sou mulher perdida que se vende ou dá a quem deseja seu corpo. Na verdade, Kai não poderia querer de mim tal loucura. E jamais meu coração a quis nem irá querer.

Lindo. Me engana que eu gosto. Até por isso o título do post.

Enfim, acusações vão e voltam, até que Kai diz que vai defender sua honra e a da rainha em luta armada, e que Deus não ia deixar ele ganhar se estivesse mentindo.
A rainha mandou chamar em segredo o Lancelot, para lutar no lugar do Kai, defender a honra dele e da rainha, pois o Kai não tinha condição de lutar.

Nova luta, Lancelot ganha. Ele parte para buscar Gawain, que já era para ter chegado. Ele parte acompanhado de um séquito, mas acaba se separando do grupo chegando perto da ponte por culpa de quem? Mais um anão. Acho que o Chretien tinha cisma com eles.
Lancelot é capturado por Meleagant, e fica preso, escondido.
O séquito que ia com ele achou Gawain, e decidiram ir até a rainha para contar o sumisso de Lancelot. No dia seguinte, chega uma carta como que escrita por Lancelot dizendo que ia para Camelot, e que esperava todos por lá.

Assim a rainha, Kai, Gawain e todos os exilados partiram das terras do rei Bandemagus, e foram para Camelot. Chegando lá, Arthur parabeniza Gawain por ter resgatado a rainha, mas Gawain diz que essa honra corresponde a Lancelot. Ao perguntarem por Lancelot e perceber que ele nunca voltou para Camelot, perceberam que a carta era mais uma mentira.

Nesse meio tempo (enquanto a rainha esteve fora do reino) as donzelas sem esposo organizaram um torneio, para escolherem justamente para que cavaleiros iriam entregar seu amor (e o resto, claro).

A rainha foi assistir este torneio, e Lancelot deu um jeito de se livrar temporariamente da prisão onde estava (na verdade enrolou a mulher do Meleagant).
Lancelot usou armaduras e armas emprestadas, para não ser reconhecido. Ele estava dando uma sova em todos. Nada parecia poder parar o cavaleiro misterioso.
A rainha pediu para uma das suas donzelas chegar até o cavaleiro, e pedir para ele em nome da rainha para "fazer o pior possível". E como todo tolo apaixonado (afinal todos fomos assim alguma vez) parou de lutar, e começou a fazer um sem fim de burradas. Com isso confirmou para a rainha não somente que de fato era Lancelot, como seu amor devoto por ela.
Esta cena se repete um par de vezes, mas no último dia, a rainha mandou sua donzela pedindo para lutar da melhor maneira. E ele o fez. Bateu todo mundo. E bateu em retirada, ao terminar todas as justas, porque prometeu para a mulher de Meleagant voltar para sua prisão, como foi combinado.
Todas as donzelas concordaram e brigaram entre si querendo o cavaleiro desconhecido, porque nenhum outro poderia defender a honra delas como ele fez. Mas, com a partida dele, as donzelas ficaram somente na vontade, e nenhuma delas casou. Ficou tudo para o ano que vem. Sacanagem do Lancelot essa, que não comeu nem deixou ninguém comer, mas não vem ao caso, até porque foi sem querer.

Quando Meleagant soube da escapada do Lancelot, ficou furioso, e percebeu que não podia confiar a prisão de Lancelot para sua mulher. Sendo assim, Mandou construir uma torre e uma ilha afastada, trancou Lancelot nela, vedou todas as entradas, e somente deixou uma janela por onde passavam suprimentos.

Acreditam que Chretien terminou a historia aqui?!?!?

Dizem que ele foi censurado pelo adulterio da rainha, ficou desencantado com a historia e por isso passou o texto para as mãos de alguém bem menos talentoso, o clérigo Geoffroy de Lagny. Ele apenas umas linhas resumiu o que Chretien passou para ele sobre o fim da historia do cavaleiro da charrete:

Meleagant vai para Camelot, para exigir sua justa, um ano após a primeira como combinado. Ele pede para que Lancelot apareça e não se esconda (sabendo muito bem que estava preso na torre). A irmã de Meleagant acha Lancelot, o tira da torre, e cuida dele no seu próprio castelo. Leva ele até Camelot, e a justa acontece. Arthur e Guinevere assistem à luta, combate em que Meleagant perde com sua cabeça cortada, e ninguém sente dor alguma por ele. Fim.

O conto termina. A lenda não.

É, assim mesmo. Por isso que gosto de Chrétien... sabia enrolar, ou em outros termos, nos deu uma poesía fantástica, onde nasceu Lancelot, representado até hoje como o cavaleiro ideal, com apenas um único pecado.

Ilustração - Lancelot e Guinevere aprendem Karatê

Sabiam que foi por isso que ele não viu o graal em toda sua glória? Isto aparece em outro livro, A morte do rei Arthur. Ele chegou onde Galahad viu o graal, mas seu direito de vê-lo foi tirado por causa do adultério. Ele viu o graal através de um véu, e sua busca do graal acabou dessa forma. Foi isto que levou ele a desistir da vida que levava, e tentar garantir seu lugar no ceú virando monge em um mosteiro, o mesmo que encontrou nas terras a caminho do castelo de Bandemagus, onde já tinha seu túmulo reservado, o mais grandioso, mas que somente ganhou seu nome após libertar a rainha e todos os exilados cativos.






3 comentários:

pedrita disse...

há várias versões dessa história, ainda mais que entram sentimento, honra, e questões históricas da época. mas sempre tive um fascínio pelas mulheres da época do rei arthur, guerreiras, fortes, decisivas. beijos, pedrita

Renata disse...

Lancelot era mesmo O Cara, não? Até mesmo por buscar a recuperação da sua "honra" após o adultério da rainha. Até por isso é engraçado ler que Cornwell coloca ele na história como um completo bundão... Eu gostei dessa história, mas pena que o final foi tão murchinho...
Bjos!

Wally disse...

@ Pedrita: Versões? O do Karatê era piada, viu? heehe!!
Mas sim, houve várias reinterpretações do romance entre Lancelot e Guinevere, e decidi falar da primeira menção, conforme os manuscritos do Chretien. Foi aí que começou tudo.
@ Renata: De fato, ainda vou ter que falar do Lancelot bundão, de cabelo engraxado, cheio de pose e falastrão. Cornwell foi genial e radicalizou com essa visão do "Maior Cavaleiro de Todos".

Gente, Obrigado pela leitura!!!