Avalon High

Ah, férias... nada como tirar alguns dias para soltar o peso das costas, viajar, conhecer novos lugares, fazer novas amizades.. E claro, comer, dormir, e voltar a fazer coisas que ficaram de lado por falta de tempo. Entre elas, voltar ao hábito da leitura.

Levei comigo dois livros, leves e rápidos de ler. Para minha surpresa, nossa agenda nesta viagem de férias foi bem lotada, muito corrida, e só deu para ler nas esperas de aeroporto e dentro do avião. Terminei o primeiro livro ontem, e está na hora certa de comentar. Sobre a viagem, estejam atentos ao blog da Marion nesta semana.

Em Março, ganhei de aniversário o livro Avalon High, da autora Meg Cabot. Ela é mais conhecida por literatura adolescente (mais precisamente meninas), e Avalon High não foge muito dessa regra. Não tinha lido nenhum trabalho dela até agora, e admito que foi uma leitura leve e muito engraçada. O texto, mesmo leve e descompromisado, conta uma história que daria um bom filme da tarde, mas a Disney fez questão de destruir com sua versão digamos, criativa. Como de costume, vou contar um pouco da história do livro, sem contar detalhes para quem for ler ainda.

A protagonista, Elaine, é uma garota como qualquer outra. Não é de se arrumar, e por ser bem alta acha que os meninos não dão bola para ela. Nas palavras dela, ela não é romântica, é uma garota prática. Acabou mudando de escola quando seus pais mudaram para outra cidade, como fazem regularmente a cada sete anos. Acontece que os pais são professores universitários, e a cada 7 anos podem tirar um "ano sabático", onde geralmente aproveitam para alugar uma casa em outro lugar e vão para escrever algum livro, ou concluir alguma atividade acadêmica.

A escola nova é a Avalon High, onde conhece outros alunos que lembram muito os seriados de High School americanos. Tem o quarterback admirado por todos e líder dos alunos, tem a cheerleader invejada de tão bonita que se revela uma pessoa tão boa e honesta que nem dá para ter raiva dela, tem os inadaptados de sempre... é bem divertido mesmo.

Um detalhe que não falei sobre a família da Elaine: ela ganhou esse nome (que odeia, por sinal), em homenagem ao poema da Senhora de Shalott, um belo poema arturiano pelo que a mãe dela é fissurada. Os pais da Elaine são medievalistas, e embora isso possa ser legal, nunca vai ser legal para um adolescente. Sempre esses papos de mundo antigo, o tempo todo... Aliás, os adolescentes que me desculpem pelo meu blog arturiano, hehe..

Elaine odeia a Senhora de Shalott. Cada vez que sua mãe se empolga, seja pela emoção ou por uma taça de vinho a mais no jantar, começa a recitar o poema. Os pais dela são meio esquisitos mesmo, e acabam dando mico constantemente com esse seu jeito acadêmico. Segundo Elaine, isso é porque eles pensam de forma medieval, e então esquecem coisas como higiene, refrigeração da comida e outros costumes mais modernos. Ainda assim, são pais bem preocupados e zelosos da sua filha. Uma das lições que parece ter lavado o cérebro da Elaine é a preocupação com sua Imagem (assim, com maiúscula), e em várias cenas reflete sobre como sua Imagem é afetada pelo que diz, faz, ou mesmo por ter os pais que tem.

Assim como a Senhora de Shalott, cujo corpo percorreu os rios até chegar em Camelot, Elaine passou práticamente o verão inteiro boiando.. na piscina da casa nova. Ela tem obsessão pela piscina, já que nunca teve uma em casa, e cuida dela diariamente. Sua diversão é ficar lá, flutuando na bóia, enquanto pega sol metodicamente. Os diálogos desta parte do livro me fazem sorrir, só de lembrar as situações.

Na medida que começam as aulas, vamos descobrindo junto a ela os outros alunos, como o Will, o quarterback admirado e respeitado, Lance, o melhor amigo dele, e Jeniffer, a estonteante cheerleader namorada do Will. Temos também professores esquisitões, alunos meio excluídos do grupo, as amigas fofoqueiras... o kit completo da típica adolescência americana.

O fato é que, na medida que avançamos na leitura, começamos a identificar traços dos personagens arturianos em cada um dos alunos, coincidências que Elaine comenta com detalhes (graças ao mergulho compulsório de anos na lenda arturiana, promovido pelos pais). Nisso o livro faz um serviço enorme, e que tem que ser elogiado: o respeito pela lenda arturiana, personagens e detalhes da história é enorme. Para um livro adolescente, me surpreendeu notar que a autora de fato pesquisou a lenda, ou foi muito bem assistida durante a composição. E como na lenda arturiana, o círculo vai se fechando, o clima fica cada vez mais tenso, e o desfecho da história é inevitável.

O livro traz um trecho do poema da Senhora de Shalott no começo de cada capítulo, o que reforça ainda mais a entrelinha didática ao recitar um poema tão antigo para um público mais interessado no seu próprio mundo. Lindíssimo trabalho da Meg Cabot, que mesmo com uma linha de diálogo bem rápida e leve, conseguiu jogar tanta história nas mãos dos leitores. 

Recomendo sim! As aventuras da Ellie, Will e o resto da turma continuaram na saga Avalon High: Coronation, só que mudou o formato. Os livros viraram HQ, específicamente três gibis. Para mais detalhes sobre os livros e a autora, podem olhar no site oficial.

Bom, é isso por enquanto... mais no próximo post!

5 comentários:

Marion disse...

Amor, fiquei contente que gostou do meu presente. Depois que li o livro ( e gostei!) achava que vc ia gostar também.

Mas uma pena que estragaram a história no filme.

Beijos :)

Renata disse...

Eu adoro a Meg Cabot e acho que vou passar esse livro na frente da lista dela que eu pretendo um dia ler :) Pelo menos alguém respeitou a lenda na hora de fazer uma releitura, né?
Beijos!

Wally disse...

@Marion, nem me dei o trabalho de procurar o filme. Só com os "teasers" do Youtube já desanimei. Mas o livro é ótimo, obrigado pelo presente!

@Rê, vai se divertir bastante com o livro, tenho certeza! A Ellie é bem engraçada, e desajustada como o adolescente que todos levamos dentro.


Obrigado pelos comentários!

Mara Sop disse...

A Meg Calbot é a do Diario da Princesa?

Adorei a resenha, ja vou adicionar o livro nas futuras aquisições no meu skoob \o/

Falando em livros com tematica arturiana, vc já ouviu falar de "O Senhor do Dragão" de Virgilio Campos?
Eu descobri o blog dele e por acaso vi que ele lançou dois livros sobre as lendas de Artur, e ele é um p**a de um pesquisador, manja muito de historia antiga e medieval... Fiquei bem tentada a comprar...

Dá uma olhadinha em uma resenha do livro, achei a tua cara!

http://virgiliocamposhistoriaantiga.blogspot.com/2010/11/caros-amigos-o-nosso-colega-renato.html

beijoooooooooooo

Wally disse...

@Mara, sim, exatamente, essa Meg Cabot, a do Diario da Princesa. O livro segue um estilo bem parecido ao "diario" (pelo que me contaram, não li outros livros da autora), e admito que foi uma diversão e tanto acompanhar a protagonista e suas desvairadas aventuras.
Nao conhecia o trabalho de Virgilio Campos, parece bem interessante e condizente com tudo o que conheço da lenda. Tem vários trechos publicados no seu blog, e fiquei curioso com a amarração literária para a história.
Valeu pela dica!