Feedback

O Post que não é Post. Ou é?

Então, fim de semana, feriadão, alguns viajando, outros apenas acordando tarde, outros ganhando umas extras no trampo... e eu em clima de feriado também, desta vez até terça.

Entre meus planos, está estudar um pouco mais a fundo para os próximos posts. Sim, este blog requer de estudo, coisa que levo muito a sério. Felizmente, o resultado está aí, mais de 1000 visitas, os contadores crescendo, as visitas aumentando, e os comentários de gente amiga gostando, e encorajando a continuar. É por eles, mas também por minha dedicação e os resultado que vejo ao ler novamente post antigos, que digo para mim mesmo que a recompensa é muito maior do que o esforço.

Aos poucos, este blog levado bem a sério está virando o que visionei para ele: uma referência de consulta prática sobre estudos da lenda arturiana, e trazendo também informações sobre a vida no periodo medieval que podem ajudar a entender o contexto.

O último post falou sobre cavaleiros, como eram treinados, suas afiliações em ordens regidas por preceitos nobres, e o surgimento do amor cortés com eles como protagonistas. A palavra "cavaleiro" ganhou um novo sentido graças a estes costumes, do mesmo jeito que os "gentis" eram apenas estrangeiros. Como Pedrita falou, a origem das palavras é muito interessante.

A curiosidade da Renata passou para Marion, sobre como as plebéias eram tratadas pelos cavaleiros. Moças, os cavaleiros tinham uma orientação religiosa, eles sem dúvida matavam, mas respeitavam todas as pessoas tementes a Deus, especialmente os plebéus. Muitas ordens de cavaleiros praticavam o celibato... e por isso o estupro não tinha lugar, pelo menos entre suas fileiras.

Era comum que os cavaleiros fossem filhos de nobres, porém os plebéus que se destacassem por um ato nobre ou coragem excepcional em uma batalha, eram convidados para integrar as ordens de cavaleiros, portanto não havia preconceito de classes.

E sim, muitos cavaleiros se apaixonavam por plebéias, às que juravam defendé-las de todo perigo, e disputavam justas para honrar seu nome. Era o amor cortés, do jeito que as novelas contam.

Me apegando ao filme de maior sucesso por estas pampas nos dias de hoje, os cavaleiros não eram outra coisa que a elite de um exercito. Eram eles que entravam onde a infantaria não chegava. Eram eles que representavam a lei e a ordem de seus governantes. Eram eles, que nos seus grandes corcéis, amedrontavam os criminosos e ganhavam admiração dos homens, nobres e plebéus. O primeiro conto de T.H. White, "A Espada na Pedra", mostra um jovem Arthur que no bosque dá de cara com um cavaleiro, e cheio de admiração pela imagem de um homem brilhando na sua armadura polida que olha para ele do alto da sua montura, decide um dia se tornar cavaleiro. A vida o levou por outro rumo, no momento que tirou a espada da pedra e com isso selou seu destino como rei da Bretanha. Essa imagem e o impacto dela deve ter sido exatamete a mesma para todas as crianças que viam pela primeira vez um cavaleiro, e esse brilho se mantém até hoje, nos tantos espetáculos medievais, como o Medieval Times, as justas de Kaltenberg ou o Camelot Park.

Tudo isso veio dos comentários de vocês. Aliás: Andrea, não me esqueci de você.

Muita gente cai neste blog por buscadores. Eu não vou trapacear colocando termos para atrair pessoas; quero que quem caia no meu blog encontre exatamente o que procura. O que quer dizer trapacear? Por exemplo, se quando falar da Vivian, a Dama do Lago, começo com o título "Nua e molhada". Obviamente, sei que tipo de visita posso esperar depois disso.

Então, não me surpreende que quase todo mundo que aparece nas estatísticas do blog chegam por buscas bem específicas. Foram 243 visitantes em Outubro, dos quais 117 vieram por buscas na net, 115 usando o Google, e os outros dois desavisados via yahoo.

Vejam abaixo algumas das coisas que as pessoas procuraram:

O que me deixa feliz, é que encontraram o que buscavam.

E vocês, encontraram o que buscavam aqui? Pergunta do autor: De tudo o que escrevi até agora, qual foi para vocês o melhor post? Eu já tenho meus três favoritos, espero pelos seus! Bom fim de semana!

6 comentários:

Pedrita disse...

ih, não estou nessas opções. estou trabalhando de matar e não ganhando extra por isso. e pior, pensando que tenho que pagar o 13% da minha funcionária no mês que vem. eu tb levo muito a sério o meu blog. sempre que vou escrever o post procuro as informações sobre o que vi. eu sempre que leio o seu blog lembro do 007, ele é um curioso das leis arturianos, mais que eu. já chegaram ao meu blog pessoas que colocaram filmes difíceis de encontrar. os mais comuns o meu blog deve se perder no meio de milhões, mas os mais raros, me acham certamente. beijos, pedrita

Marion disse...

Amor, adorei seu post-resposta. :) Achei bem simpático! Bom , o post que eu mais gostei até hoje foi o post onde você conta como surgiu a sua paixão pela história do Rei Arthur. Neste pois descobri detalhes que não sabia e adorei!

Beijos

Renata disse...

Parabéns por estar alcançando visibilidade no assunto que você tanto gosta! Hoje em dia isso não é tarefa fácil, já que a internet está forrada de sites, blogs e muita informação, a maioria, inclusive, inútil. Mostra que seu trabalho es'ta valendo a pena!!
Dos seus posts, tem alguns que mais gostei: em primeiro lugar, o post sobre castelos, que eu amo. Em segundo, o post sobre cavaleiros, que também gosto muito. E o post sobre o filme a Ultima Legião, que vc analisou com muitas referências e justificou muito sua opinião, e me ensinou coisas que eu jamais iria reparar.
Posta os seus depois =)
Beijos!
(ah, hj assisti O Ilusionista, e ele faz uma referência ao Rei Arthur e a lenda da Excalibur na pedra, quando faz uma mágica e a espada do príncipe fica presa em pé no chão (só encostada, mas presa) e ninguém consegue retirar, somente o príncipe... interessante!)

Daniela disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Andrea disse...

Eu sempre apostei muito no potencial desse blog, que tem tudo mesmo para se tornar uma referência sobre o assunto.

Dentre tantos posts maravilhosos meu preferido ainda é o do Arthur POP. Acho que ali a mistura comoçou a dar liga e pintou essa delícia de lugar!!!

Wally disse...

Olha só, quantos comentários! Obrigado gente, mais uma vez.

@ Pedrita: O capricho compensa. Eu dedico umas boas horas ao blog quando o assunto precisa disso, mas o resultado me dá o prazer do dever cumprido. Seu blog tem muito disso, não deixa dúvidas.

@ Marion: Eu achei que sabia! Bom, agora já sabe... chuicks!

@ Renata: Podia apostar que tua escolha ia ser a seqüência de posts sobre castelos! Me surpreendeu com o da última legião, mas de fato, detalhei bastante.

@ Autor Arrependido: Com certeza!

@ Andrea: O Arthur pop foi o começo de tudo, tenho um carinho especial por esse post. Afinal, resumiu bem o espírito do blog.

@ Todos: Ainda não falei dos meus posts preferidos. Teve assuntos que tiveram uma dificuldade excepcional para chegar no ponto que eu queria, e com isso ganharam meu respeito como posts "de responsa". Entre eles, o post com as traduções do manuscrito original de Chretien de Troyes, o primeiro post de Merlin (Que Merlin?) e o último sobre Guinevere, que levou mais de uma semana de preparação.
Tenho outros posts grandes em mente, mas provavelmente fiquem para um periodo mais sossegado, ou venha a escrevé-los aos poucos, e publicando no mesmo tom.
Obrigado a todos!